Cuidado Gotham há um Batman à solta!

The Batman de Matt Reeves não é um filme de super-heróis para crianças. É um filme de ação e investigação criminal para adultos com um vigilante mascarado. E é uma das melhores adaptações do Cavaleiro Negro vistas até hoje.

Nesta adaptação acompanhamos um Batman (Robert Pattinson) ainda em início de carreira. Está ativo como vigilante apenas há dois anos. Os agentes da polícia ainda não confiam nele, com exceção de James Gordon (Jeffrey Wright), e as suas ações foram suficientes para espalhar o medo entre os criminosos das ruas de Gotham. 

Selina Kyle de “olho” na recompensa.

Sempre que o holofote projeta o símbolo do morcego pelos céus da cidade, o medo espalha-se pelas ruas. Qualquer canto escuro da cidade torna-se num potencial ponto de emboscada. Nenhum malfeitor está a salvo, pois este Batman é “vingança”.

Mas este medo não afeta o Riddler (Paul Dano). Um serial killer a solta, que desafia as autoridades e as habilidades de investigação de Batman. Com enigmas que terminam, ou começam com a morte de alguém importante para a sociedade de Gotham. Apesar da sanidade questionável, ele é altamente inteligente e manipulador. Mas acima de tudo, acredita que o que faz está correto e é para o bem da cidade. 

Do ponto de vista visual, esta versão é diferente da que estamos acostumados, não tem o fato e o chapéu-coco verde como nos livros de banda desenhada. Mas ao nível de interpretação, invoca imenso o espírito da personagem.

The Batman – Bruce Wayne

O Bruce Wayne de Pattinson, é um recluso que só interage com o seu fiel mordomo, conselheiro e ex-MI6, Alfred Pennyworth (Andy Serkis). É como se não tivesse motivação para viver. Está apenas focado em fazer a diferença na cidade como Batman. Que ao contrário da persona de órfão milionário, tem uma presença imponente. Emite uma aura fria e calculista. A sua versão do fato tem uma aparência tática, utilitária e realista.

Mas até a aura fria e calculista deste vigilante não resiste ao charme e sedução de Selina Kyle, interpretada por Zöe Kravitz. Uma cat burglar, que tem tanto de sedutora, como em inteligência e astúcia. Está disposta a arriscar pelo menos uma das suas nove vidas para ajudar o “morcego” a pôr um fim aos enigmas de Riddler desde que receba algo em troca. À medida que interagem um com o outro, a química entre as personagens aumenta gradualmente.(Será que haverá romance?)

The Batman – Bat and Cat

A Mulher-Gato não é a única aliada de Batman. Ele conta também com a ajuda James Gordon, o único detetive do departamento de Polícia de Gotham, que confia em Batman. E reconhece o impacto que a sua presença tem tido na cidade.

O ambiente sombrio, desolado, chuvoso e sem esperança da cidade foi recriado na perfeição. Transmite a sensação de que é difícil viver em Gotham. E é nas ruas de Gotham em que acontece uma das mais emocionantes e brutais cenas de perseguição automóvel da atualidade. Não só pelos planos em que foi filmada mas também pelo aspecto auditivo. Arrisco-me até a afirmar que é melhor que muitas das cenas vistas na saga Velocidade Furiosa. A versão muscle car do batmóvel tem alguns elementos visuais que fazem referência a versões do veículo presentes em animações e banda desenhada.

O amanhecer em Gotham

The Batman proporcionou-me durante três horas, uma experiência de investigação criminal sem igual. Com um vigilante mascarado, que à medida que juntava as pistas para resolver o caso, desvendava também a corrupção que se escondia entre a elite de Gotham. Fazendo questionar se a cidade realmente merecia ser salva. E uma subtil transição entre um Batman que até os inocentes temem, para um herói respeitado e apoiado até pela polícia.

O filme já se encontra disponível nos cinemas.

Nota:10/10